Tratamento de estrias feito na Ferreira Segantini é quase indolor e traz resultados

Estrias são um pesadelo: uma vez que elas surgem fica muito difícil de se livrar delas. O que não impede que as mulheres – e muitos homens também – busquem diariamente uma solução para esse problema. A fisioteraeuta e dermatologista funcional Viviane Rodrigues Albino, da Ferreira Segantini, em Uberlândia, tem uma opção que pode despertar sua curiosidade.

O Striort é uma técnica patenteada que poucos profissionais têm acesso. Só aqueles que fazem o curso podem comprar os produtos, como é o caso do time da Ferreira Segantini. E é a ela que muita gente está creditando o desaparecimento das estrias.  “A técnica é indolor porque usa o processo de vácuo para fazer a sangria da estria”, explica Viviane. “Quando ela está branca, nós a provocamos para que a pele possa fazer novamente o reparo. A estria volta a ficar vermelha e fecha com o passar do tempo”, completa.O interessante é que ela pode ser feita em qualquer pessoa, inclusive em grávidas. “Como ela não usa ácido, deixamos a gestante fazer”, diz Viviane.

O protocolo do procedimento é bem simples: primeiro é feito uma limpeza na pele, uma esfoliação, depois se aplica o produto que aumenta a vascularização do local. Só no final que se faz a técnica da sangria e finaliza-se com mais produtos. A melhora, contudo, depende de como está a lesão na sua pela. “Depende da largura da estria. Quanto mais estreia, mais rápido o resultado”, explica a especialista. O metabolismo também é um fator relevante na melhora da pele.

Como o resultado não acontece em apenas uma sessão, recomenda-se que o paciente retorne a clínica semanalmente ou a cada 15 dias. “Não podemos mexer com a mesma estria mais de uma vez por semana. Tem que ter o tempo para o processo de reparo. E tem que retornar no exato dia certo”, diz. A quantidade final de sessões quem determina é o paciente de acordo com os resultados.